A dança macabra ~ Identidade 85 ::

quarta-feira, março 04, 2015

A dança macabra





O comet’inganni
Se pensi che gl’anni
Non hann’da finire,
Bisogna morire

[Como estás enganado
Se pensas que os anos
Não vão terminar
É preciso morrer]


É com estas palavras que começa a canção “homo fugit velut umbra”, uma dança macabra anónima do séc. XVII. Com todo o cortejo de desgraças que se deram no séc. XIV (epidemias, guerras, fomes), desenvolveu-se um intenso pessimismo. A dança da morte era uma alegoria que tratava da inevitabilidade da morte: fossem ricos, pobres, bons, maus, a todos no final ela estava reservada. Tendo diversas representações gráficas, as mais comuns era a de pessoas de todos os quadrantes da sociedade (jovens, belos, idosos, nobres, mendigos) a dançar numa roda com esqueletos.

As imagens aproveitavam para mostrar a futilidade da vida e do apego aos bens e glórias terrestres, devendo-se sobretudo obter bens espirituais (formando um maior contraste com a procura desesperada dos gozos terrenos de que as pessoas representadas pareciam tentar obter).

Eram pintados afrescos, esculpidos relevos e compostas músicas com este tema. Ao longo do séc. XVII e XVIII, este género artístico iria ser progressivamente esquecido, sendo recuperado por vários músicos no séc. XIX (uma das músicas mais famosas seria a de Camille Saint-Saens) e XX.

Veja abaixo mais imagens da Idade Média retratando a Dança Macabra 


 Música sinistra, autor desconhecido.

Dança Macabrapor Bernt Notke (Lassan -Vorpommern, 1435 / Lübeck, 1508/09)

A Dança da Morte (Dagger sheath, 1521), por Hans Holbein
* Referências: Heróis e maravilhas da Idade Média e A Idade Média explicada aos meus filhos, de Jacques Le Goff; Tempore

** Originalmente postado em 15/mai/2008.

Compartilhe essa postagem!

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!