terça-feira, abril 05, 2011

Helena Meirelles: A vida da violeira

violeiro e violeira Imagem: http://www.meucinemabrasileiro.com/


Eudes Fernando Leite


Professor de História na UFGD


O falecimento de Helena Meirelles em 2005 é uma perda significativa para a música sul-mato-grossense e mesmo brasileira. A afirmação enfatizando que a instrumentista era dona de um talento musical singular se tornou lugar comum na mídia. O que importa, aqui, é destacar o significado do sucesso alcançado pela artista.


Depois de receber muitas negativas de empresários e gravadoras brasileiras, o talento de Dona Helena foi reconhecida por uma destacada revista estadunidense, a Guitar Player, especializada em música e que a escolheu como uma das cem melhores instrumentistas do mundo, ao lado de artistas como B. B. King, por exemplo. Isso foi lá pelo início da década de 1990.


A partir daí, a violeira já com quase 70 anos de idade foi nacionalizada, até conquistar o título de “dama da viola”. Gravou, fez muitas apresentações, concedeu entrevistas, enfim transformou-se numa celebridade cabocla.


No primeiro CD gravado a artista discorreu um pouco sobre sua história na fazenda, a aproximação com a música e sua exótica vida. Vida pouco convencional para uma mulher do campo, mas paradoxalmente semelhante à vida das mulheres pobres no Brasil. Helena Meirelles foi apaixonada pela vida no campo, paixão que parecia menor quando comprada àquela nutrida pela música e pela decisão de ser dona de sua prória história. Entre o primeiro marido e a viola, decidiu-se pela segunda, entre a submissão e a reclusão ao ambiente doméstico optou pela festa (sacra ou profana), pelos bailes, pela boemia e pela poesia. Se aplicarmos à vida da Dama um julgamento moral, possivelmente concluiremos que ela não foi uma mulher exemplar, uma mãe inquestionável; afinal não se enquadrou na categoria “lides do lar”. Que bom!


Salvo engano, Helena Meirelles tinha pouco apreço pela música sertaneja. Explico: o sertanejo é diferente da música caipira. A diferença pode ser verificada na melodia, nas letras, nos instrumentos, mas, sobretudo nas referencias que alimentam esse gênero. Pessoalmente acho que o sertanejo é raquítico no que se refere a qualidade e à criatividade; trata-se de um improviso sofrível do country estadunidense, é música de consumo rápido, não foi feita para permanecer, portanto dispensa sofisticação.


Voltando à história de vida da dama da viola que, aliás, do alto de seu banquinho quando se apresentava proporcionava uma referência indireta ao genial e mal-humorado João Gilberto provocava emoções da platéia. A música caipira executada por Helena Meirelles é uma parte expressiva da cultura mato-grossense e daquela porção paraguaia que por aqui chegou. Trata-se de canções bastante conhecidas nos bailes de fazenda, que também ganharam os salões e depois os palcos; é a música muitas vezes designada como ‘limpa-banco” por que mobilizava para a dança quase todos os presentes em uma festa. A própria artista faz menção à esses momentos em uma de suas gravações, indicando a profundidade das raízes da música caipira na cultura brasileira. Polcas, chamamés, guaranias, entre outros “estilos” ganharam lugar de destaque no ambiente musical dos bailes de fazendas e, hoje em alguns programas dedicados à “música de raiz”. O programa “Viola, minha viola”, apresentado pela não menos conhecida artista Inezita Barroso é um exemplo dos parcos espaços dedicados a música do campo.


Helena tocou, bailou, amou, procriou, rezou, benzeu, bebeu, brigou, jamais abriu mão de sua história. Lamento, como outros, que seu reconhecimento só tenha ocorrido há pouco mais de uma década. Aqui há outra questão: a indústria cultural. É preciso saber que a habilidade, o talento da violeira existia independente da “descoberta” das gravadoras. O que veio com as gravações e espetáculos foi a apropriação, a exploração de uma artista que foi forjada na vida. O sucesso implicou no conhecimento do talento de Helena Meirelles que passou a freqüentar o campo da mercadoria. E como se isso fosse pouco, esse talento transformado em valor de mercado só ocorreu porque uma publicação estrangeira conheceu e reconheceu a qualidade musical da Dama. Tal fato mostra que há muitos problemas na crítica musical brasileira e sobretudo na decisão a respeito de quem grava algo ou não. Também revela que ainda sobrevive um provincianismo latente em alguns circuitos culturais que só consideram alguns talentos depois que alguém ou alguma publicação não-brasileira escreve sobre esse talento. A história de Helena Meirelles é mais um desses exemplos da incompetência ou desinteresse de alguns mercadores das artes pela cultura brasileira, especialmente em relação aos seus representantes pouco conhecidos.


Conforme a violeira disse em um de seus sarcátiscos e bem-humorados comentários proferidos entre uma música e outra: “quando eu morrê, eu vou fazê farta nesse mundo!” Estava certa, seguramente fará falta, até mesmo para aqueles que fecharam as portas para ela, para depois ganharem muito dinheiro com sua aptidão. E ainda no território dos jargões populares, para consolo dos mercadores e dos fãs, recorro a um adágio colhido das palavras de Dona Helena: “agora é nóis dois e um saco de arroiz”.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...