[IN MEMORIAM] Moacir Fagundes: produtor de erva-mate ~ Identidade 85 ::
Booking.com

sábado, janeiro 23, 2016

[IN MEMORIAM] Moacir Fagundes: produtor de erva-mate

 Seu Moacir. Foto de Eudes F. Leite

Continuando a “história de vida” do senhor Moacir Fagundes, hoje veremos um pouco do tempo em que ele foi produtor de erva-mate. 

Isso aconteceu no tempo em que a região de Jateí ainda não tinha seus lotes demarcados, sendo “livre” o trânsito de pessoas. A erva-mate produzida por ele era vendida para os “paraguaios”[1] ou para alguns comerciantes, como o senhor Antonio Félix de Souza, sendo que ele, Moacir, também foi um comerciante, como veremos.

Se bem que por um tempo, sabe-se que Moacir viveu uma vida de “colono ervateiro”, tendo por vezes carregado raídos, secado e cancheado erva-mate (cancheamento que era feito por meio do cabo de facão). Tendo inclusive ele e o irmão construído um barbacuá (onde secavam a erva-mate). Além dos “paraguaios”, ele ainda teve contato com “um senhor, chamado Antonio Félix de Souza. Ele saía lá de Dourados e vinha aqui comprar”, tendo a “impressão que ele, de lá, vendia para a Companhia Mate Laranjeira”, o que parece confirmar o enorme poder que essa empresa adquiriu sobre a memória local: todos os outros atores são ignorados e só a Companhia é lembrada. Embora seja difícil fazer uma afirmação, no caso, se a erva-mate vinha para Dourados, o que poderia ser mais provável é que viesse para a Cooperativa de Erva-mate Dourados, e não para a Companhia.

Além de vender, o senhor Moacir diz que também foi comprador de erva-mate dos “paraguaios”, o que o caracteriza também como um comerciante:

Também... eu, eu, eu pegava com uns paraguaios... Eu tinha um grupo de paraguaios... ali, mais ali pro Conceição [linha Potreirito na época da CAND]. Daqui o... cerca de 10 a... a 15 quilômetros... eu comprava deles. 

Segundo ele, comprava mais erva-mate dos “paraguaios” do que produzia diretamente, repassando ao senhor Antonio Félix de Souza. Eu comprava deles, a erva... eu ia... meu, meu, meu saudoso papai tinha um carroção, puxado com 4, 5 animais, muares. 4 ou 5 animais muares. Eu comprava deles, a erva, ia lá, buscava e... e repassava pro senhor Antonio Félix de Souza”.

A movimentação e extração livre da erva-mate na Colônia Agrícola Nacional de Dourados apontada por ele e por outros entrevistados só era possível porque a Segunda Zona da CAND, que inclui parte das Estradas do Caraguatá, Carajá e Potreirito, até meados da década de 1950, teve problemas na regularização de seus lotes, como nos mostrou alguns documentos da mesma, como um ofício do Administrador da CAND, Clodomiro de Albuquerque, ao diretor do Departamento de Terras e Colonização (DTC), de abril de 1954, onde dizia que a Segunda Zona tinha seu “desenvolvimento retardado, até mesmo no que diz respeito ao loteamento, ponto básico dos nossos planos de trabalho” [2]. Essa situação permitiu ao senhor Moacir dizer que, “na época, na vizinhança num tinha lotes. Quando nós chegamo aqui num tinha demarcação ainda. Era tudo de várzea... aí depois que chegaram as demarcações. Com o tempo chegô e chegô, é... o Núcleo Colonial [de Dourados], demarcando... E aí, e aí, foi então que... tomô... novos rumos né?”, tirava-se erva de qualquer lugar onde houvesse, pois “isso aqui era mundão! Isso aqui num tinha dono não! Num tinha dono”.

Por fim, Moacir Fagundes teria parado de trabalhar com erva-mate quando começaram a surtir efeito, pelo menos em sua região, os trabalhos de demarcação e regularização dos lotes da Segunda Zona, “que aí... colocava cada posseiro no seu lote. Aí então, quem tem o seu lote num qué quem quer que seja pisano lá dentro né?”. Ainda assim, em seu lote havia erva-mate, mas “é poquinha! E num compensava tá mexeno. Só compensô no princípio né? Que a gente mexia em mais... em maior quantia né? A gente tanto tirava como comprava dos paraguaios. E... mas depois... parei. Parei porque... porque num dava mais né?”. 

Não ficou muito claro quando ele parou de trabalhar com erva-mate, mas, como vimos na postagem anterior, ele teria vindo para a região no início da década de 1950, quando toda ela já parecia estar sendo ocupada, embora não bem demarcada, como visto. Assim, depois, mesmo não produzindo erva-mate comercialmente, ele diz que ainda continuou tirando para consumo, “eu e meu irmão Pedro, ainda continuamos... tirano né? Só pra consumo. Só dentro de nossa própria propriedade. Porque a gente tinha”.


Seu Moacir e eu. Foto de Eudes F. Leite

[1] Coloquei "paraguaios" entre aspas porque em meio aos trabalhadores de fato de origem paraguaia havia também os indígenas, o que para os colonos parece ter sido difícil diferenciar.
[2] Ofício do Administrador da CAND, Clodomiro de Albuquerque, ao diretor do Departamento de Terras e Colonização (DTC), abr/1954, grifos meus.


Dica de livro:

 livro nilson thomé

Da Caá í, Congõi Ou Kukuai Ao Chimarrão
A erva-mate do Contestado na História
(E-book)
Nilson Thomé
por R$ 7,53!
Clique aqui! 

* Originalmente postado em 23/nov/2012.


Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!