O Nordeste brasileiro que nós não conhecemos ~ Identidade 85 ::
Booking.com

quarta-feira, dezembro 19, 2012

O Nordeste brasileiro que nós não conhecemos



O Nordeste brasileiro é uma região que inclui climas, culturas e economias bem diferentes, que não cabem em definições preconceituosas e sem fundamento. Seus estados são diferentes em alguns aspectos do restante dos estados brasileiros, mas também são diferentes entre si. 



A região tem um alto índice de desigualdade e ainda miseráveis, muitas vítimas dos ciclos secos no semiárido, mas, ao contrário do que se pensa, não vive às custas do resto do país. As opções existem, apesar das dificuldades das áreas mais secas, tanto com o turismos quanto com produtos que se dão facilmente às condições climáticas da região. Isso sem falar nas opções culturais, extramente ricas, com tipos variados de dança, música e folclore. Só para citar a cultura musical, se não me esquecer alguma, tem-se o samba, o frevo, o baião, o xaxado, o maracatu e a ciranda.


Claro também que, além desses temas, quando se estuda a região vemos ainda questões relacionadas à desigualdade social, estrutura fundiária e relação entre capital e trabalho. São essas e outras coisas que se propôs mostrar Carlos Garcia em seu O que é Nordeste brasileiro*, da coleção Primeiros passos. Com ele e outros grandes estudiosos da região, como Celso Furtado, vemos o passado vistoso, sabendo que foi a "região mais rica da América Portuguesa durante mais de três séculos". Do presente temos, por sua vez e embora com ressalvas, que "nos sertões nordestinos vive-se ainda quase que num regime pré-monetário", onde existe um regime de trocas marcante (p. 57).


Ainda sobre o livro de Carlos Garcia, tem-se uma boa tentativa de "desvendar" o Nordeste brasileiro, mas ele tem também suas falhas. Isso fica notável por suas explicações sobre o contato em outros tempos do branco com o indígena: os brancos, superiores, senhores das terras e culturalmente "bem mais desenvolvidos", contra os índios, inferiores, seminômades, "atrasados" e apenas iniciantes na agricultura (p. 44-45). Pouco melhor descrito é o negro, em um estádio de civilização "bem superior" aos índios (p. 45-46). Claro que, também, escapando do anacronismo, devemos entendê-lo no seu tempo, os anos 1980, um período de transição na historiografia brasileira.


Semiárido baiano. Foto de autor desconhecido.

Por fim, encerrando essa primeira abordagem do Nordeste (haverão outras), vale adiantar que muitas medidas vem sendo tentadas, as vezes sem muito sucesso, para resolver o problema das secas, como por exemplo o caso da SUDENE (Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste). Mas, sobre esta instituição veremos nas próximas postagens.

Vista da capital São Luiz, Maranhão

Publicidade ID 85 ::
Camiseta "Eu Ovo Rock"

Veja outras postagens da série Nordeste Brasileiro

No topo: Marco zero em Recife, PE. Foto de Delma Paz.


* GARCIA, Carlos. O que é Nordeste brasileiro. 8 ed., Coleção Primeiros passos, São Paulo: Brasiliense, 1990.

Compartilhe essa postagem!

2 comentários:

  1. Nossa, tá de parabéns o sua espanação sobre o livro, sobre o nordeste e sobre a SUDENE.

    oBg

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!