História oriental através da arte (parte 02) - "figuras femininas" ~ Identidade 85 ::
Booking.com

sábado, março 01, 2014

História oriental através da arte (parte 02) - "figuras femininas"



Continuando a nossa série sobre a cultura japonesa, segue uma seleção de imagens que mostram figuras femininas, retratadas pela  tradição Ukiyo-e (período Edo - 1600-1868)

Casa de Ichizuke
(1804 d.C.)
Artista: Kitagawa, Utamaro, 1753?-1806


Kitagawa Utamaro foi o mais influente artista ukiyo-e, conhecido tanto no Japão quanto no Mundo Ocidental por sua interpretação estilística de bijin-ga (retratos de mulheres bonitas). Bijin-ga capta as tendências da beleza feminina com imagens tanto reais quanto idealizadas de cortesãs do alto escalão, figuras históricas, gueixa (artistas da música e da dança), cortesãs do baixo escalão, personagens fictícios, meretrizes ilustres, e mulheres comuns. 

Ao mesmo tempo que Utamaro geralmente criava imagens idealizadas de mulheres, ele capturava momentos de seus gestos cotidianos em vez de poses convencionais. Esta gravura, por exemplo, mostra cortesãs preparando chá e realizando outras atividades domésticas, enquanto seu convidado olha pela janela e observa a neve caindo. Ela foi criada em 1804, o ano que Utamaro foi preso por desenhar ilustrações para um livro censurado.

Beldades de Yoshiwara
(1770 d.C.)
Artista: Suzuki, Harunobu (1725?-1770)



Seirō Bijin Awase (Beldades de Yoshiwara) é um dos mais sofisticados livros em xilogravura multicoloridos do Japão. Ele foi publicado em 1770. O livro representa 166 cortesãs de Yoshiwara, um bairro do meretrício em Edo (atual Tóquio), com os nomes das cortesãs e os bordéis em que trabalhavam, acompanhados de um haiku (poema curto) no plano de fundo de cada ilustração. 

A obra consiste em cinco seções, divididas em cinco capítulos. A tira de papel original onde os títulos do livro e do volume estão impressos está presa na parte central da capa. Cada capítulo foi compilado de acordo com o tema do haiku: o volume 1 diz sakura (flor de cerejeira); o volume 2, hototogisu (pequeno cuco); o volume 3, tsuki (a lua); o volume 4, momiji (as folhas do outono, belamente pintadas); e o volume 5, yuki (neve). No final do volume 5, está o colofão, que mostra a data de publicação, o nome do editor e o nome do gravurista. 

Embora o nome do desenhista não seja diretamente mencionado, Suzuki Harunobu (1725 a 1770, aproximadamente) é mencionado no prefácio e, portanto, acredita-se que tenha desenhado as ilustrações. Harunobu foi um artista de ukiyo-e de destaque na era Meiwa (1764 a 1771) do período Edo, conhecido por sua habilidade em pintar belas jovens. Além de suas pinturas, ele produziu várias obras de arte impressas e acredita-se que tenha sido um dos pioneiros de nishiki-e (impressões em xilogravura multicoloridas de ukiyo-e). 

Clique aqui e veja todas as imagens do livro.

Capturando Cigarras
(1765 d.C.)
Artista: Suzuki, Harunobu (1725?-1770)


Esta gravura é uma página de um egoyomi (calendário ilustrado), que circulava entre a população e eram usados para determinar o número variável de dias no mês lunar. A alta demanda e comissões privadas destes calendários ajudaram a estabelecer o ukiyo-e como uma forma de arte popular entre o público, bem como para promover o avanço da tecnologia da xilogravura nishiki-e (gravuras coloridas). 

Partindo de formatos de calendário convencional, as letras e os números dos egoyomi foram habilmente mesclados com a imagem, e o desafio de decifrar os símbolos contribuiu para sua popularidade. Nesta gravura, o proeminente pintor ukiyo-e Suzuki Harunobu (1725-1770) retrata uma mulher e uma criança tentando capturar cigarras, fazendo uma referência sazonal, através deste passatempo popular do verão. No canto inferior esquerdo da rede está o caractere shō (pequeno), indicando que há apenas 29 dias neste mês.

A Courtesã Shigeoka de Okamoto-ya; A Courtesã Sugatano de Sugataebi-ya; A Courtesã Hanamurasaki de Tama-ya
(1848 d.C. e 1868 d.C.)
Artista: desconhecido



Bijin-ga (retratos de mulheres bonitas) capta as tendências da beleza feminina com imagens tanto reais quanto idealizadas de cortesãs do alto escalão, figuras históricas, gueixas (artistas da música e da dança), cortesãs do baixo escalão, personagens fictícios, meretrizes ilustres e mulheres comuns. 

Essas cortesãs de alto escalão do famoso distrito de prazer de Edo, Yoshiwara, são identificadas em cada gravura por seus nomes, as casas em que trabalhavam, e os locais das casas. Deslumbrantemente vestida, desde seu elaborado penteado de cabelo aos seus sapatos elevados de plataforma, estas mulheres criam uma impressão dramática. Havia diversos paralelos entre os atores Kabuki e as cortesãs de alto escalão durante o Período Edo, incluindo o uso de nomes hereditários que poderiam carregar o prestígio da celebridade através de gerações.

A Jovem Donzela Oshichi
(1867 d.C.)
Artista: Utagawa, Kuniteru (1808-1876)


Da série Edo Meisho (Lugares famosos de Edo), esta gravura de 1867 retrata Yaoya Oshichi (1666-1683), a jovem filha de um verdureiro. O koma-e (esboço) acima de sua cabeça mostra um lugar famoso em Edo, conhecido como Ai no Uchi

Quando a casa da família queimou no grande incêndio de 1682, Oshichi e seu pai se refugiaram em um templo, onde Oshichi se apaixonou por um jovem que estava estudando lá. Pai e filha voltaram para casa uma vez que sua casa foi reconstruída, mas, para voltar ao templo e ficar com seu amor, Oshichi incendiou a casa novamente. Sua punição foi arder na fogueira em 1683 quanto tinha 17 anos. 

A história Oshichi é contada no teatro Kabuki e de fantoches, onde sua personagem é retratada em um quimono com um característico desenho de cânhamo em forma de estrela associado a ela.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!