Chico Buarque: o cantor cantou e o homem engajou ~ Identidade 85 ::

domingo, abril 12, 2015

Chico Buarque: o cantor cantou e o homem engajou




Em épocas de Ditadura Militar, Chico Buarque era um alvo a ser combatido pela censura, uma das ameaças subversivas, afinal muitas pessoas o viam como um símbolo de resistência à opressão imposta pelo sistema político do período. Conheça um pouco da história desse artista brasileiro e seu lado político nessa e próximas postagens!

Seu primeiro disco foi Chico Buarque de Hollanda, lançado em 1966 pela RGE, onde já apareciam, além de outras, as músicas: A banda, sucesso muito lembrado até hoje; Sonho de Carnaval, que fez parte do I Festival Nacional de Música Popular Brasileira, transmitida pela TV Excelsior; e Pedro Pedreiro, música fundamental para experimentação do modo como viria a trabalhar os versos, com rigoroso trabalho estilístico morfológico e politização, mais significativamente na década de 1970*.

Outros tantos viriam à seguir, além de livros, peças de teatro e coisas afins - somando-se ainda as composições de sucesso gravadas por tantos outros artistas da MPB. Em meio a isso surgiria o engajamento político, que lhe renderia perseguições e exílio. 

Os interrogatórios por parte dos militares seriam uma constante na vida de Chico Buarque. Claro que não se deve excluir as ações dos diversos outros indivíduos ligados aos partidos de esquerda, aos movimentos estudantis, à música, à literatura e ao teatro, mas uma parada para pensar nas experiências do filho de Sérgio Buarque, o grande historiador, se faz válida. 

Após 1970, Chico Buarque se tornaria um dos alvos favoritos dos censores, sobretudo por gostar de comentar, sempre que lhe dessem oportunidade, sobre o sistema político vigente, e isso incomodava (e muito). Em entrevista à revista Marie Claire em 1999** ele disse: "além das músicas censuradas, havia os shows proibidos, os shows com censores na platéia e no camarim. Não era Brincadeira". Por causa da perseguição, exilou-se na Itália em 1969, retornando em 1970. 


Trilha sonora da peça de mesmo nome,
 retirada de circulação pela censura 
dias após seu lançamento em 1973

Por volta de 1974, ele já tinha como época "mais branda", quando adota então o pseudônimo "Julinho da Adelaide". Era uma saída encontrada para burlar a censura da Ditadura. E é assim que consegue lançar Acorda amor, Jorge maravilha e Milagre brasileiro, que passaram pela censura sem maiores problemas. 

Nesse contexto, nos fala a respeito das diferenças existentes entre os governos durante a Ditadura Militar:

"Há que se distinguir um pouco a época do Médici da época do Geisel. Era ditadura sim, a tortura continuava, mataram o Vladimir Herzog, mas a gente já se sentia um pouquinho menos sufocado do que no tempo do Médici. Para que eu criasse o Julinho da Adelaide, para brincar com isso, certamente já havia um clima menos sufocante do que antes. No começo dos anos 70, não havia graça nenhuma".*** 

Em outra entrevista, essa à revista Caros Amigos, Chico Buarque comentou seu envolvimento com a política e a mistura da noção de arte com o engajamento político dos tempos de regime militar. Ali ele faz uma distinção entre a ação de criação artística da música e o ato de apropriação da mesma pelos agentes sociais, dizendo que "a gente cria um objeto de arte, a gente pode criar a partir dessa música uma utilidade prática, mas criar uma música pensando em sua finalidade objetiva me parece perigoso, empobrecedor mesmo". 

Isso deve nos dizer algo sobre a diferença entre o compositor, o cantor e o homem Chico Buarque, algo bastante complexo para uma análise apressada. Ainda assim, o homem Chico Buarque vem sendo alvo de críticas por parte de grupos que querem invalidar as ações dele e outros tantos artistas em épocas passadas, com base nas suas ações recentes - especialmente no que diz respeito à questão dos direitos de imagem e de biografias não autorizadas


Trilha sonora da peça Ópera do malandro

Mas, seguindo especificamente os passos do artista politicamente engajado, quando perguntado especificamente sobre a ação política e o fato de ser um dos artistas brasileiros mais censurados, em entrevista à Folha de São Paulo, em 1998, Chico Buarque disse que foi atuante e falava muito, mas segundo ele, o quadro mudou, porque "foi chegando a hora de ser mais artista e menos político. O fim das ditaduras e a queda do Muro de Berlim já eram sinais de que se encerrava esse conflito e se despolitizava o mundo. A função política do artista se enfraqueceu"****.

Mas antes desse desfecho, poderíamos inserir a música Apesar de você, apontada como o motivo do nascimento de Juninho da Adelaide e dela tirar algo mais do assunto. Mas isso fica para a próxima postagem!



** Entrevista à Revista Marie Claire, em julho de 1999.
*** Entrevista à Revista Caros Amigos, em dezembro de 1998.
**** Entrevista à Folha de São Paulo, em 1998.

***** Originalmente postada em 1/ago/2014.

Compartilhe essa postagem:

4 comentários:

  1. Escuché su nombre pero no sabía de su actividad política y de la persecusión por la que pasó durante la dictatura de más de 20 años en este sufrido país del pasado. Admiro a los hombres y mujeres de cualquier parte de la tierra que se enfrentan de alguna forma a los dictarores de cualquier clase o nivel, que anulan los derechos de los pueblos y someten a torturas a los que tienen la valentía y la entereza de enfrentarlos de alguna manera. Esos héroes civiles perseguidos y llevados a la clandestinidad y al sacrificio deben ser considerados como modelos y ejemplos de lucha heroica y sacrificio en favor de sus pueblos oprimidos y vilipendiados por dictadores y torturadores mal venidos al mundo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muy bueno! Chico es uno de esos personajes de resistencia a la dictadura

      Excluir
  2. Respostas
    1. Ficamos contente que tenha gostado! Abraço

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!