Seriado "Portlandia": o exagero da excentricidade humana ~ Identidade 85 ::

sábado, abril 04, 2015

Seriado "Portlandia": o exagero da excentricidade humana



Você se acha excêntrico? Acha que procura voluntária e constantemente sair do "centro"? Ou acredita que é extravagante? Procura sempre ser diferente dos demais à sua volta? Se a resposta para essas perguntas é sim, você se encaixaria perfeitamente no jeito "portlandiano" de ser. 


Pelo menos é a mensagem, propositalmente exagerada diga-se, do seriado de comédia Portlandia, criado, escrito e estrelado por Fred Armisen e Carrie Browmstein, com base em experiências reais. Diferente de outros que se vê por aí, Portlandia (Portlandia em inglês também) mistura o humor simples e o complicado ao mesmo tempo, juntando em um mesmo espaço e pessoas características variadas, todas baseadas na excentricidade particular dos moradores de Portland, Oregon, Estado Unidos. 


Feministas em ação. Foto de divulgação.

Portland, segundo o Wikipedia, que por sua vez usa dados geopolítico extraídos do site City-data:

É considerada uma das dez cidades mais ecológicas do mundo, principalmente pelo sistema do governo de carros movidos a bateria elétrica que reduzem uma grande porcentagem de emissão de gás carbônico na atmosfera. Foi classificada a cidade mais "verde" dos Estados Unidos, e a segunda mais "verde" do mundo.

É nesse ambiente que os nossos atores, vivendo  vários personagens diferentes, com suas características e modos próprios, vivem a vida de forma bem peculiar. Tudo começa com um encontro entre os personagens Jason e Doni, quando esta saía para um passeio com o cachorro. No diálogo Jason anuncia que encontrou um lugar surreal:


Jason: você lembra os anos 1990?

Doni: Sim.
Jason: Sabe, as pessoas falavam sobre fazer piercing e tatuagens tribais.
Doni: Sim.
Jason: E as pessoas cantavam sobre salvar o planeta e formar bandas...
Doni: Sim.
Jason: Tem um lugar onde essas ideias ainda existem em forma de realidade... eu estive lá.
Doni: Onde é?
Jason: Portland!
Doni: Oregon?
Jason: É!

Esta é a cidade mostrada na série, onde existem: campeonatos de esconde-esconde para adúltos; proprietários de livraria feminista; observadores dos direitos de frangos e salmões que se comem em restaurantes de serem criados organicamente; aficionados por tecnologia com muitos celulares, ipads, ipods, tablets e computadores sendo manipulados ao mesmo tempo, tentando pensar e dar respostas ao maior número de coisas ao mesmo tempo; leitores de jornais que competem bravamente sobre o tanto de periódicos lidos; punks em busca de um mundo "melhor" para viver; um prefeito diferente de qualquer outro que se tenha visto por aí, com projetos como a nova música de Portland e a criação de um time de basebol. Além de outras tantas e intensas aventuras vividas pelos personagens de Fred Armisen e Carrie Browmstein e convidados conhecidos, como Kyle MacLachlan(Twin Peaks, Sex and The City), Aubrey Plaza (Tá Rindo do Quê?), Selma Blair(Legalmente Loira, Hellboy), Heather Graham (Se Beber Não Case), McClurg Edie(Assassinos Por Natureza), Jason Sudeikis (SNL, Os Aloprados) e Gus Van Sant (Milk, Últimos Dias, Elefante, Gênio Indomável). 


Excêntricos? Foto de divulgação.

Perfeito para quem acha que a vida é ou parece muito simples e por isso tem que ser complicada e particularizada. Achando pontos comuns nos personagens, o seriado é ótimo para entendermos, ou pelo menos pensarmos, sobre a chamada Geração Y, aquela do empreendedorismo e sucesso que jovens ao redor do mundo se empenham em conseguir cada vez mais cedo. Serve também para entendermos o quanto a vida é mais do que só a rotina e os "lugares comuns" do dia a dia.

Ah, por fim, não posso esquecer de dizer que aqui só falei da 1ª temporada. As outras comento outra hora. 

* Postado originalmente em 6/dez/2012.

Compartilhem essa postagem:

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!