"Como seria se eu fosse escravo": aluno Caio ~ Identidade 85 ::

quinta-feira, abril 04, 2013

"Como seria se eu fosse escravo": aluno Caio

Capoeira. Rugendas, Le Brésil, 1839.

Aluno Caio Henrique Reblin

Era uma vez um escravo normal, trabalhava, sofria, tinha saudades da família, passava fome e tudo tal. Esse era eu. Eu ficava trabalhando com os meus amigos escravos quase o dia inteiro e quando podíamos dormir era uma felicidade só. A fome era imensa. Quando eles traziam comida, alguns de tanta fome roubavam mais comida dos outros escravos. 

Durante a noite eu sonhava com a minha família, porque a saudade era imensa. Todos os escravos sonhavam em ter a família de volta. Então o sofrimento lá na senzala era enorme: alguns morriam, a maioria pegava doenças, e eu ainda tinha uma vida, trabalhava até a hora certa, a comida me sustentava, a água também e sempre dormia o tempo necessário. O meu maior sofrimento era a saudade da família. 

Nós escravos resistíamos muito, mas tinha hora que não dava mais, então nós inventamos uma dança com luta: a capoeira. Muitos escravos usaram a capoeira para fugir porque o trabalho era em más condições, comida e água muitas vezes não sustentava e outras coisas mais. Mas tinha alguns que não apoiavam a capoeira. 

Eu fugi da senzala quando ouvi falar que existia uns quilombos por perto. Daí outros escravos concordaram de fugir comigo. E um dia depois disso teve um ataque dos holandeses e os nossos chefes estavam meio ocupados com os holandeses. E daí em uma noite eu e mais 40 escravos fugimos para o quilombo dos Palmares. A vida lá era boa, a gente trabalhava pouco, comia direito, tinha higiene boa e descansava bem. 

Um ano depois o quilombo dos Palmares era o maior quilombo do Brasil. Até que dia 6 de fevereiro de 1694 o quilombo foi incendiado pelo grupo de um mercenário chamado Jorge Velho. 

Eu sobrevivi e agora estou aqui bem de vida e contando isso para você.

Não entendeu essa postagem? Clique aqui!

3 comentários:

  1. Luciana Pollo Stein05 abril, 2013 08:17

    Quando ouvimos uma história conhecida, porém contada de outra forma, conseguimos sentir algo bem diferente. Parece que foi tirada uma trave dos olhos, e conseguimos ver algo muito mais valioso do que antes.Parabéns pelo lindo e grandioso trabalho!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Luciana... eu fiquei muito contente com o resultado dos meus alunos também

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!